Uma perfeita combinação de acordes

[Mulheres em Acordes: 10 anos de Canções, Café e Companhia; 2017]

Não há outra definição considerável a não ser a palavra SUCESSO quando todas elas sobem ao palco. E quando digo isso transcrevo apenas o reflexo do que é o encontro dessas quatro vozes, realmente grandioso, assim como a fila de espera para a apresentação comemorativa do grupo que aconteceu no último dia 11, durante a 25ª edição do Maio Musical, promovido pela Secretaria de Cultura de Indaiatuba.

O Mulheres em Acordes se tornou tradicional em Indaiatuba, e também na região, e seus shows são eventos imperdíveis que poderiam acontecer com mais frequência. Fundado em 2007, o grupo reúne as vozes incomparáveis de Sônia Di Morais, Mônica Domingues e Sara Bonfim em uma sinfonia harmoniosa que já contou com a participação de Kika Baldasseirini, que mesmo não fazendo mais parte compartilha a essência das amigas cantoras (ela mesma anunciou que optou por não mais cantar). E não é pouca coisa não, afinal, nos dias de hoje quem lota a Sala Acrísio de Camargo em uma noite de quinta-feira?

Em 10 anos de Canções, Café e Companhia apreciamos um grupo ainda mais cheio de si, notoriamente emocionado com o reencontro e a presença de Kika, celebrando uma década de música e com arranjos novos, esbanjando uma fortaleza e coragem nas notas de arrepiar. Acompanhas dos músicos Gershon Lima Filho (bateria), Michel Membrive (Piano) e Viktor de Lima (contrabaixo), o repertório atingia todos os gostos, desde os clássicos do Clube da Esquina e de Milton Nascimento, passando pelas canções internacionais famosas e dando ênfase à música brasileira, interpretando composições de Vinicius de Moraes e Rita Lee, músicas imortalizadas nas vozes de Maria Rita e Elis Regina, não deixando os queridinhos da atualidade, como Thiago Iorc, de fora.

Na minha opinião, o ponto alto do show foi a interpretação de Vem Menina, composta pela também diretora musical do espetáculo Sônia Di Morais. Uma música com um certo empoderamento presente, que diz muito com tão pouco e com frases tão simples, que nos toca bem no fundinho da alma. E de todas as apresentações que pude comparecer, essa foi a que mais me encheu de lágrimas, justamente por toda essa explosão de sentimento e significado, não só para as cantoras mas para o público, que demonstrou afeto em diferentes oportunidades.

Quem acompanhou o grupo sabe da evolução presente na carreira, que nem sempre foi fácil, mas só agora constatei que essa mudança, realizada aos poucos, veio das próprias vozes que deram nuances perfeitas as músicas já conhecidas mas que não são iguais à nenhuma outra, em sua grande parte por causa dos arranjos inesperados que funcionam muito bem, marcando quem escuta.

Eu, particularmente, não queria deixar o teatro e nem que o espetáculo acabasse. Foi muito pouco diante da saudade que temos de nos envolver por essa atmosfera sensível, dos acordes que nos arrepiam! Apenas posso desejar sucesso e que você tenha a oportunidade de esbarrar com algumas dessas mulheres por aí.

 

4 Comments

    1. Amanda Barrocas

      Oi Sara! Agradecemos o carinho e também por ter lido nossa resenha, que foi escrita com muito coração! Desejamos muito sucesso e reconhecimento. Que você cantem, encantem e brilhem muito nesse caminho!

    1. Amanda Barrocas

      Olá Osmar! Sim, elas são incríveis!
      Os músicos que as acompanharam são: Gershon Lima Filho (bateria), Michel Membrive (Piano) e Viktor de Lima (contrabaixo).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *